domingo, 26 de abril de 2020

Lidiane Leite fala sobre o resultado do estudo que a Unesco fez

Especialista diz que aprendizagem não se pode limitar apenas a internet e computador e ensina brincadeiras para estimular o cérebro das crianças.

Saiu recentemente um estudo da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), em colaboração com a União Internacional de Telecomunicações (UIT), que 826 milhões de estudantes não têm computador e 706 milhões não têm acesso à internet em casa.

Para a Neuropsicopedagoga Lidiane Leite, os pais não devem limitar a aprendizagem e os estudos apenas pela internet e computador. "Recomendo aos pais que não podemos e não devemos limitar os momentos de aprendizado e de desenvolvimento no computador e na internet. É preciso usar as nossas funções executivas para elaborar atividades multisensoriais com intencionalidade. Desta forma, com planejamento, método e organização você pode desenvolver habilidades visuais e auditivas, estimular as funções cognitivas e amadurecer as bases psicomotoras."

Segundo Lidiane, os pais precisam aproveitar esse momento da quarentena para se aproximar mais dos filhos. " Sugiro aos pais que na rotina que estão elaborando,separarem momentos familiares, para enaltecerem os vínculos afetivos e familiares. Aproveitarem que o ritmo diminuiu e estão em casa para ficarem alguns minutos brincando com as crianças."  
De acordo com a Neuropsicopedagoga Lidiane Leite, para desenvolver melhor o cérebro, os pais  devem mudar o jogo ou mudar a forma de jogar."Sempre nos cursos e nas palestras,  alerto aos pais e professores que  podem brincar com o mesmo jogo todo dia, não precisa mudar a brincadeira ou brinquedo. O que precisa fazer é incluir novas regras, mudar o cenário,  ou seja brincar diferente. O nosso cérebro gosta de ser desafiado. Precisamos tirar as crianças da zona de conforto."

"Para estimular mais ainda o nosso cérebro, é interessante criar uma rotina multisensorial. Trabalhar todos canais sensoriais, ampliando a percepção das crianças. Devemos trabalhar o tato, paladar e o olfato" finaliza  Lidiane Leite.